Diário d'Inês

quarta-feira, dezembro 13, 2017

Um mundo teu


Nem todos os mundos têm o teu nome, sabias? Sabias, que por mais que o mundo gire sem sentido, que te tenhas perdido, existe um mundo só teu. Existe um mundo teu, com o teu nome, a teu prazer, para o vencer. Mundo talvez escondido, mundo onde pertences, mundo teu. O mundo onde és tu, mundo que te entende, que te prende, onde carregas quem trazes no peito. Nem todos os mundos têm o teu nome, sabias? Rasga o mapa, acerta a bússola, corre por aí, encontra o que vem daí. Sabias, que os outros mundos não escrevem o teu nome? Muitos querem que passes por lá, poucos querem que lá fiques. Muitos querem que passes por lá, mas poucos têm o teu nome. Em que mundo pertences tu? Num mundo longínquo, que por mais órbita que seja completa, não completam o meu ser. Completas, tu. Amas, tu. Sabes, tu. Queres, tu. Sabes, sabes mesmo quem és. És tu, no teu mundo, antes de seres o mundo de alguém. Sabias, sabias mesmo que o que te faz girar é a força do teu vencer, a esperança de viver e a vontade de querer. Nem todos os mundos têm o teu nome, sabias? Sei, sei que não têm. Não querem, não lutam, não ficam. Para que mundo queres ir? Para um mundo meu, tão singelamente, teu.


                                                     (fotografia em Donner Lake, CA junho 2015)

domingo, julho 02, 2017

Verdade

Querido diário,

Todos os sábados às 21h, um texto meu, na 7HINK!

"É isto, é isto que tu me fazes sentir.
O meu peito a arder, as minhas pernas a tremer.
É isto, este calor que vem de dentro, o frio na barriga.
É isto, é esta verdade.
Esta verdade, cheia de felicidade quando te vejo. 
É isto, é tão isto.
As borboletas na barriga, o teu sorriso.
O meu sorriso verdade, o meu sorriso estúpido.
Verdade de tanta felicidade.
O teu sorriso!
Abraço quente.
Verdade que se sente, tão intensamente.
Escrevo e sorrio.
Dás-me um calafrio.
É para ser, fazes acontecer.
Fazes drama, levas-me para a cama.
Intensamente, verdade que se sente.
Sinto-me estúpida. Sinto-me tão estúpida.
E é tão verdade.
Tu és a minha felicidade.
É isto, é que é mesmo isto.
Tão verdade.


#verdade #7hink



terça-feira, janeiro 31, 2017

Beija-me meu amor

Beija-me meu amor,
Beija-me à chuva.
Beijo frio, ao vento que me alento.

Beija-me,
Com olhar pecado,
Beijo perdão, que toca no coração.

Beija-me meu amor,
Esquece as horas,
Beijo desassossegado, tão esperado.

Beija-me,
Apaga as brigas,
Beijo de paz, prazer que a gente faz.

Beija-me meu amor,
Discute com beijo,
Beijo demente, beijo que se sente.

Beija-me,
Fala ao ouvido,
Beijo incerto, lábio inquieto.

Beija-me hoje meu amor,
Beija-me hoje porque somos instantes
Quero o instante do teu beijo, a matar o meu desejo.

domingo, janeiro 15, 2017

Amor escondido

Querido diário,

Vida correria, caminhos discretos, tempos incertos. Coração desassossegado em contratempo acelerado. Tempo e caminhos cruzados, pessoas que entram e saem do nosso planisfério pessoal. Coração cansado da agitação. Coração com saudade. Coração em sobressalto, coração meu. Coração onde guardo abraços, amassos e beijos. Onde esqueci outros, coração que apagou o que não importou. Guardo feridas, cicatrizes, marcas vencidas, guerras perdidas. Guardo noites quentes, noites incertas. Paixões ardentes, de morte fervente. Guardo o que sinto, não o que minto. Vida minha, vida vencida, vida do meu coração. Guardo um amor escondido. Amor secreto, amor distante. Um beijo apaixonante. Um amor que quero guardar, amor que não quero curar. Amor que chorei pelo beijo com que fiquei. Esses tantos outros beijos que ficaram por dar. Amor de desejo, amor de pele, amor ardente com esta vontade que fica dormente. Amor que calo, amor silêncio. Um amor que demorou e amor que não despertou. Amor proibido, amor meu. Guardo e vivo tantos outros, causa do teu coração não me viver. Causa de não poder ter. E continuo, com este amor que minto. Este amor meu, escondido, tão teu.

Vive-te.




sexta-feira, dezembro 23, 2016

Neste Natal o presente sou eu

Querido diário,

Neste Natal o presente sou eu contigo. Contigo onde me lembro do cheiro daquelas manhãs quentes de Natal. Cheirava a fritos das rabanadas e filhoses do dia anterior. Cheirava à lenha queimada e conversas desvanecidas no fumo penetrante da sala. Contigo cheirava ao chá fervido, que aquecia a manhã, enquanto eu, criança, acordava num alvoroço. Cheirava aos doces sorrisos. Ouvia sorrisos ao correr pelo corredor até à lareira onde já não estava a minha bota. Encontrava os presentes. Mal sabia eu que os presentes não eram aqueles. Os presentes eram vocês. Os presentes, agora, encontram-se debaixo da árvore. Existem as meias na lareira, onde cada um oferece o seu. As meias, também elas são poucas. Mas têm o cheiro de uma vida. Têm as histórias dos que partiram e o viver dos que ficaram. E neste Natal o presente sou eu contigo, minha avó. Neste Natal, ainda estás comigo.


quinta-feira, novembro 24, 2016

Minha Lisboa

Foste a primeira que os meus olhos viram. A luz que me fez crescer. Nas ruelas escondidas. Calçada de uma vida. Minha Lisboa, minha querida. Foste a razão de partir, desejo de ficar. Que me abriu o horizonte a outro mar. Foste paixão, foste amor. Meu eléctrico que leva a dor. És meu fogo, minha garra. Ficar aqui, ver-te assim. Razão de ser, do que há em mim.




quinta-feira, outubro 06, 2016

Arco Íris

Querido diário,

Citações minhas, que fazem sentido, quase aos 31.

"Ainda sou aquela miúda que para fazer acontecer é preciso sonhar. Mas sou aquela miúda que sonha - às vezes - com os pés assentes na terra.Ainda sou aquela miúda que nunca perde a esperança, porque milagres acontecem a toda a hora. Mas sou aquela miúda que sabe que desistir é diferente de deixar ir.
Ainda sou aquela miúda que chora como uma criança, mas que tem a força de uma mulher.
E ainda sou aquela miúda que acredita que, no final, o amor vence sempre. E o amor, está nas mais pequenas coisas da vida. O amor está em vocês. E em nós.

in diário d'Inês 

A vida é o arco íris dos teus sonhos.
E o ouro aparece sempre na altura certa para os sonhadores.