Diário d'Inês

sexta-feira, setembro 21, 2012

Outono

Querido diário,

Hoje chegou o Outono. Apesar de um calor de rachar que se fez sentir por Évora, já não é o mesmo calor brilhante do verão. Está na altura da estação mudar. E vai mudar para a minha estação. A estação onde eu nasci. O frio espera-nos. Pelo menos, esperemos que assim o seja. Este calor fora de época, pode já não fazer bem, mas dá luz aos nossos dias, em vez de chuvosos e tristes. Pelo menos, é assim que vejo o inverno. Chuvoso, frio e sem harmonia. Mas já tenho saudades da chuva. O cheiro da terra molhada quando chove. Existe o tempo adequado para tudo, ou nem dávamos valor ao nosso querido verão. Com o Outono, chegou uma prendinha cá a casa. Uma coisa que já desejava há imenso tempo. Um coelho anão orelhudo! Sê bem vindo Bennie e espero que sejas muito feliz no teu novo lar! :)













Saudações blogueiras :)

quinta-feira, setembro 20, 2012

O amor, quando se revela

"O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente

Não sabe o que há de *dizer.
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer

Ah, mas se ela adivinhasse,

Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pr'a saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;

Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe

O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...


Fernando Pessoa


segunda-feira, setembro 17, 2012

Sonhos


"Hoje só restou a realidade. E a realidade é seca, feito essas terras onde não chove, onde o cacau morre, onde morrem os nossos sonhos” - António Fagundes em Gabriela.

domingo, setembro 16, 2012

Cookies

Querido diário,

   Até as bolachas ficam sem coração. Não sentem, pelo menos. Já eu, sinto tudo. E tudo o que sinto agora, era tudo o que eu não queria sentir. Culpa minha. O coração não se parte apenas pelo outros, não se parte apenas por amor. Parte-se de desilusão. E a desilusão é de mim para mim. Acho que ainda é pior.
   Mas a vida não pára para ninguém. O coração não deixa de bater e as coisas não esperam por nós. Muitas vezes, esperamos nós pelas coisas. Umas vezes esperamos bem, outras mal. Passamos é metade da nossa vida à espera de algo. Há coisas que não caem do ar. Há que lutar e ter gosto nisso, para se ter. Mas às vezes... Às vezes não é assim tão simples. Ás vezes, devíamos fazer simples. Falta de vontade e conseguir vencer o cansaço não é fácil. O fácil, é fazer-se as coisas simples. Mas na vida, nem tudo é assim.



Saudações tristes.

quinta-feira, setembro 13, 2012

#$%&/

Querido diário,

      Hoje não é o dia. Não é o dia de nada, nem de coisa alguma. Nem gritar apetece. Nem comer cupcakes. Nem nada daquilo que adoro fazer. NADA. Na verdade, nada me consola. Ontem com a felicidade e entusiasmo todo, hoje na última gota do nada. Não saber o que fazer, nem que rumo escolher. Nunca fui boa a tomar decisões. Hoje ainda pior. Mas costumo ser forte. Hoje não consigo. Quando olho para mim a tentar ter força para a frente, fica tudo para trás. Perdi-me na minha própria fortaleza. Perder-me também é caminho. Presa a um curso que não acaba de modo algum. Presa a indecisões. Vou fazer tilt. Vou dormir.

     Trabalho, trabalho, trabalho. Exames, exames, exames. Por uma simples disciplina. Por uma estúpida e ridícula disciplina, nem não faz de mim, melhor ou pior Engenheira!


Saudações tristes.

domingo, setembro 09, 2012

Mais ou menos Portugal?

Querido diário,

     Não sou de escrever sobre assuntos da actualidade que passam nos jornais e noticiários. As opiniões divergem imenso em tudo o que contém a vida e acho que o blog não é um espaço de discussão de temas. No entanto, há crónicas bem escritas sobre esses temas que não deixo de ler quando as encontro. E acho bem que as escrevam, simplesmente não me vejo com um espírito muito critico e com formação suficiente para falar de certos assuntos. Política é um deles. E acho que quando não sabemos bem do que estamos a falar (escrever), mais vale estar quieto.
No entanto, faz-me um bocado espécie que as pessoas critiquem que se pagava impostos na altura do Salazar... Gostava de deixar esta pergunta, nessa altura parece que a economia do país crescia (não sei se com os nossos impostos), mas a partir daí decresceu... Para onde vão então os nossos  impostos agora? Se calhar alguns de nós é que têm memória curta.

Nunca consegui bem perceber as coisas, até porque apontam sempre o dedo para várias pessoas. Já na altura apontavam. Hoje apontam para outros. Pelo menos António, tinhas amor à pátria! Isso ninguém te tira, hoje muitos não o têm.
Apenas quero um Portugal melhor, acho que todos queremos. Os experientes  no assunto têm obrigação de o fazer. Eu já faço uso do meu direito ao voto. Pelo menos isso.

    Isto tudo a propósito de um vídeo que no outro dia recebi um email, de um discurso feito no Canadá há uns bons anos, por Clarence Gillis e mais tarde popularizada em discurso por Tommy Douglas, político canadiano, onde apenas existiam dois partidos. Ora bem, decidi partilhá-lo aqui... não será isto que se passa mais ou menos no nosso país?





"Mas quero lembrar-vos de que podem prender um rato ou um homem, mas não é possível prender uma ideia.
 

Saudações críticas ;)

sexta-feira, setembro 07, 2012

Coisas diferentes

Querido diário,

Ás vezes o que faz falta não é mudar de sítio, não é deixar de ver sempre as mesmas pessoas ou não ir ao mesmo café. O que faz falta não é mudar de vida. Por vezes o que faz falta é fazer algo diferente, dentro das coisas do costume.


Saudações com imaginação!

quinta-feira, setembro 06, 2012

Sobremesa Express

Querido diário guloso,

   Quantas vezes somos convidados para uma refeição em casa de amigos ou familiares e não temos tempo para preparar nada? Tu diário, eu sei que não és convidado para nada, mas estou a falar com os meus leitores. Existem receitas simples e rápidas, mas muitas vezes demoram algum tempo no frio ou no forno. Tempo esse que da última vez que me convidaram, não tive.


   Se gostam de fruta, esta é uma boa opção. Basta usarem a fruta que têm em casa, ter sempre uma tablete de chocolate de culinária na dispensa e umas bolachas belga ou outras que sirvam para o efeito. Aqui fica a minha receita, que pode ser alterada a gosto com outras frutas e outra disposição no prato, conforme o que tiver em casa e o seu gosto.


Ingredientes:
- 2 kiwis
- 2 Laranjas
- 15 morangos.
- Bolachas Belga (convém ser das grandes, eu usei "Pingo Doce" mas o "Continente" tem iguais).
- Tablete de chocolate culinária.
- Leite e manteiga q.b.
- Sal e pimenta q.b.


Preparação:
- Num prato médio de sobremesa, partir a fruta (excepto os morangos) em pedaços médios e dispor em redor.
- Num fervedor largo, colocar a tablete de chocolate partida em pedaços com 5 colheres de sopa de leite e uma de margarina, uma pitada de sal grosso e pimenta (moinho de mistura de pimentas). Mexer até derreter, se achar necessário juntar mais um pouco de leite. O sal faz apurar o sabor do cacau, pelo que deve levar sempre em qualquer receita que faça este tipo de preparado. 


- Pegue nos morangos inteiros e "molhe" até meio com o chocolate derretido. Disponha-os no dentro do prato.
- Parta as belgas em quatro partes e enfeite, conforme a fotografia.



Dica: Se gostar de gelado e tiver à disposição, pode colocar uma bola grande ao centro, por uns "fios" de chocolate derretido e enfeitar com hortelã ou menta. Ficará delicioso!
PS. Eu apenas não coloquei gelado de limão porque não tinha condições de levar no carro, teria de ser feito na hora de servir.



Saudações gulosas!

terça-feira, setembro 04, 2012

Férias

Querido diário,
 
Chegaram ao fim as minhas férias. Penso eu, que umas mini-férias. Acho que férias nunca são demais, mas quem passa férias o ano inteiro, deveria achar o contrário. Já se sabe que há pessoas que não fazem nada da vida, as que fingem que fazem, as que fazem pouco, as que fazem muito e as que trabalham seriamente. Claro que nem todos sabem o grupo onde estão e muitos fingem estar em algum. Eu, (in)felizmente, acho que durante o ano inteiro me consigo encaixar em todos os grupos. Não percebo muito bem porquê. Mas na verdade não gosto de me sentir inútil. Meu querido diário, depois do descanso do guerreiro, volto a escrever-te.

      Fazendo o balanço das minhas férias, foram extremamente agradáveis, mas foram umas mini-férias. Eu acho que foram, mas mais para o lado de ter mesmo certeza. Revivi um pouco a minha infância por visitar Tavira. Tive ao sol nas areias macias de praias magníficas em Portugal. Fui à terra da minha querida e única avó, Louzan. E como terra do Licor Beirão, assim bebi um fresco com gelo e gotas de limão. Dei um salto à Costa da Caparica, como um bom lisboeta o faz. Comi marisco, não os tremoços marisco do Alentejo, mas marisco à seria. Bebi imensos cafés, comi sardinhas,caracóis e comi gelados e crepes até rebentar. Bebi umas cervejas com os amigos. Mas não visitei os amigos todos. Estive à mesa em família. Conversamos e ri-me imenso. Dou sempre gargalhadas com eles, mais que não fosse, de uma graçola ou duas que a minha mãe deita para o ar todos os dias. Ri-me todas as vezes que o meu pai diz "salsichas". Acho que me vou rir o resto da vida sempre que ele disser isso. Acho que ele também já faz de propósito. Casou-se um dos meus melhores amigos e estive presente, muitas felicidades aos dois. Passei férias com quem me faz realmente feliz. Com quem me atura as birras de quando em vez. Passei mais que maravilhosos dias a teu lado. O amor faz-nos bem. Adorei andar de barco. A brisa do mar ao fim do dia, deu-me anos de vida. Fiz tudo aquilo que achei que tinha direito e o que o meu pequeno dinheiro me permitia. O tempo é de poupar e ele de vez em quando devia esticar um pouco. Mas estiquei-me eu ao comprido ao sol, como achei que merecia. A pequena Jade conheceu o grande Ted. Ela queria brincadeira, mas ele já não esteve para isso. Confesso que não tirei as saudades do meu cão. Continuo sempre com saudades dele. Tenho saudades de casa porque quase nunca lá estive. As Mini-férias resumidas. As minhas férias. E a partir de agora... "vai tudo de andarilhos!!" Boa minha querida mãe. Mais uma para mais tarde recordar.
 













    
Saudações blogueiras! :)