Diário d'Inês

sexta-feira, dezembro 19, 2014

Dreamer


Vontade de ser feliz

Querido diário,

De Às 9 no meu blog:

Sei que tudo começa e acaba no coração de cada um, na atitude de cada um. Sei da força e da coragem, da resiliência e da fé que é preciso praticar todos os dias. Sei que na vida há decisões difíceis. Aprendo que todos os dias faço escolhas. De orientação, de sentido, de vontade, de princípio.
Acredito que só somos capazes de enfrentar os obstáculos que a vida nos vai colocando no caminho, quando aceitamos que, às vezes, escolher também dói. Às vezes, escolher é ir ao fundo.
E, depois, olhar para cima e, depois, voltar à superfície. Mas voltar. Voltar sempre.
Voltar, porque quando se tem gravado no adn a vontade firme de lutar sempre e muito por ser feliz, não há outra opção.
Voltar, porque a vida me ensinou que é burrice e perda de tempo viver presa a dúvidas, a vazios, à opinião dos outros e à vontade de querer ajudar quem se recusa a ser ajudado.




Porque viver, é muito mais do que simplesmente existir <3

quarta-feira, dezembro 03, 2014

Honestidade

Querido diário,

A quem não respeita a vivência dos outros, a personalidade dos outros. Quem não respeita os erros dos outros e o perdão. Quem julga sem saber os passos dados e as pedras que os outros encontraram no seu caminho. Quem guarda na gaveta os seus erros e se desculpa com os erros dos outros. Quem critica sem conhecer, quem fala quando o silêncio lhe cabia melhor. Quem apenas sabe ouvir um lado, é tão pobre em como sabe apenas ver um lado da vida. É um cego que não quer ver. É viver uma ilusão ou mentira. Só vive na metade, só é metade feliz. Se um dia chegar ao outro lado, pode ter vivido uma vida imaginária. A felicidade é viver nos dois lados do rio. É saber como atravessar por pior que esteja a corrente. Mas nunca se sabe como é a corrente permanecendo apenas de um lado.

Sou tudo aquilo que tenho e o que quero ter. Sou os meus defeitos, os meus gritos e o meu silêncio. Sou verdadeira, cometo erros e cabe em mim a minha loucura. Não meto num cofre os erros e muito menos atiro a chave ao mar. Vivo por completo tudo aquilo que tenho. A honestidade não tem preço e nasceu comigo. Antes dizer verdades da maneira errada, do que mentiras na forma correta. Sou louca por aprender e depois disso, sei despertar o melhor de mim.  Se quiserem inventar outra loucura, que seja pelo menos radiante, para o meu sorriso brilhar em sintonia sempre que tentarem voar sobre mim. Não se trata de ficar por cima, mas de ver a vida de cima. Não se trata de saber voar, mas de como vais voar desta vez. Não se trata de ter mas de ser. Porque para me atingirem, têm de ser muito melhor que isso, têm de ser loucos também. E antes loucos, que ilusionistas.


Não faças o teu próprio caminho, conta os passos que deste no caminho.

domingo, novembro 30, 2014

Quase 30

Querido diário,

Se algum dia alguém te disse que irias fazer 29 anos, enganou-te. Quando esse dia chegar, não fazes 29 anos, fazes quase 30. E assim os verás, quando pensares na tua idade, são quase 30 anos. A meta dos 30, é quase alcançada e começas a ouvir bocas do “quase trintão”. A verdade é que, sentes-te assim. Tenho um free-postal comigo há uns 5 anos, que diz “disseram-me que ia perceber quando tivesse trinta” e assim te vais sentir, com quase 30. A meta entre ¼ de século e a idade dos trintões são apenas 5 anos. Mas são 5 anos onde, na realidade, acontece muita coisa. E não é apenas pelo que vives, experiências ou sentiste é pelo tempo e pela vida que passa por ti. Pode ser por tudo isso, mas só isso não chega. Porque o tempo passa por nós, muitas vezes sem te aperceberes. Quando chegas aos 29 pensas... Já?! Não sei se quero, já chega.
Se a partir dos teus 25 percebes algumas coisas, aos quase 30 percebes outras tantas e deixas de ter paciência para mais de metade das que já tinhas percebido. Deixas de ter paciência para conversas fúteis e banais, que por mais que antes dizias que não tinhas paciência, agora é que não tens mesmo, porque nem sequer as ouves. Começas a querer outro estilo de vida e nunca fazes as coisas apenas pela metade. Se fores um apaixonado por viver, exiges de ti e dos outros muito mais que antes. Não toleras mentiras, nem criancices. Sentes-te melhor com as pessoas da tua idade e gostas de ajudar os mais novos, assim como ouves melhor os mais velhos. Apercebeste que as mesmas experiências, realizadas com idades diferentes, é totalmente diferente. Mas apercebeste disso em várias fazes da vida e cada uma delas com outros olhos. E os 30, ou quase 30, é uma linha importante, sem dúvida.
Se queres ver a coisa com uma certa piada e fores mulher, pode ser uma boa fase. Os homens falam sempre bem das trintonas, mais decididas, experientes, activas e atraentes. Começas a ouvir sempre umas certas piadas à cerca disso. Basicamente, se não o fores aos 30, como dizem, já nunca mais vais ser. E na verdade apercebeste que mudas muito como mulher, as tuas exigências, pensamentos, conversas. Não tens problemas em dizer o que pensas, nem tabus em conversas, nem gostas de quem fala pela metade. Simplesmente falando, tornaste uma Mulher.
Na verdade, tu é que fazes a tua idade… Não, não é bem assim. A tua idade é que faz o teu espírito. Os teus anos, a tua vida e maneira de ser, fazem o teu espírito ser mais ou menos jovem, mais ou menos adulto. Mas é o passar do tempo que te dá as oportunidades e aí está a tua idade, que viveste como achavas que devias viver. Sentiste o que a vida te proporcionou baseada nas tuas escolhas. E de repente, tens quase 30. Os meus quase 30 posso dizer, foram bem vividos. Nas quantidades e no tempero certo. Posso dizer, que apimentei a minha vida, com o que ela me deu de melhor!

Saudações quase trintonas.

domingo, novembro 23, 2014

Um dia

Querido diário,

Um dia vais perceber, que na vida nada é certo. Um dia vais perceber que o teu caminho és tu que escolhes, mais ninguém. Vais perceber que os teus actos levam a outras escolhas e que nem sempre segues o caminho que desejas e que sempre esteve lá. E que muitas vezes te esqueces de qual era o caminho sem te aperceberes. Vais perceber que segues o caminho que tens de seguir ou, em certas alturas, segues apenas em frente, sem saber qual o teu caminho. E isso não é ruim, é viver, é ver a vida e é acreditar. Vais perceber, que quando te perderes nem todos vão lá estar e apenas vai estar quem realmente sempre esteve e sempre se importou contigo. Vais perceber que são poucos os que lá estão, mas são verdadeiros e vão caminhar a teu lado, não importa para onde vais. E vais perceber, que ninguém disse que ser feliz era fácil. Que quando fazes as tuas escolhas, tem de ser certas para ti e sem viver o que está para trás. Porque se revives, não escolheste verdadeiramente. Mas vais perceber que há coisas que não podemos deixar para trás, há coisas que temos de levar connosco no coração. Porque amar, não é para todos, mas apenas para alguns. Cuidar faz parte e deves dar sempre valor a quem esteve a teu lado, até nas mais pequenas coisas. E que o amor, não se mede aos palmos mas constrói-se. Que para ficar junto, é preciso respeitar, dar o teu melhor e saber lidar com o pior. E que por vezes no final de tudo, tens de guardar esse amor apenas para ti e saber viver com ele. Vais perceber, que as palavras apenas importam quando alguém significa algo para ti. Mas são os teus actos que te definem, porque palavras é fácil dizer. E que podes até mudar como pessoa, mas as memórias não mudam. Vais perceber, que às vezes as pessoas não são o que tu pensavas que eram. E sem saberes a razão, elas desiludem sem estares à espera. Que tudo o que queres fazer por elas, elas não vão fazer por ti. Ainda ficam com ideias erradas da tua pessoa sem razão ou porque lhes convém. E que tudo o que lhes deste, pode ter sido em vão. Vais perceber, que muitas vezes as pessoas magoam sem ter intenção disso. E que muitas vezes se não disseres as coisas, elas não vão entender. Mas também vais perceber que a mágoa pode ser esquecida e as feridas são curadas com amor. Basta querer. Vais perceber, que tens de te focar na única razão para dar certo e não nas outras todas que podem dar errado. Um dia vais perceber, que não se manda embora quem realmente nos quer bem. Porque esses, são os que vão estar sempre sempre lá. Um dia vais perceber, que os poucos, mesmo que sejam loucos, são os verdadeiros.



quinta-feira, outubro 30, 2014

Novembro, 1






Querido diário,

Era impossível ser dia 1 de Novembro sem ti. Sem a minha capa, a minha companheira e o cofre dos meus segredos. Os emblemas, as histórias partilhadas e os momentos vividos, contigo.
Emblemas que nunca saíram, lagrimas que nunca foram limpas para além da chuva, confissões que apenas o negro conseguiu absorver. Emblemas esses, oferecidos por cada amigo. Amigos que em tempos foram - e são – família, todos os dias. Uma família que contruímos. Amigos que fiz e me orgulho de cada emblema que tenho. Amigos que posso falar diariamente ou daqui a um ano, como se fosse ontem. Amigos com que posso contar, sempre.
Histórias que tenho para contar, como apenas quem viveu “Évora” pode ter. Tenho histórias de alegria, tristeza, amor, paixão, raiva… Como se costuma dizer, histórias para todos os gostos. Hoje não seria igual sem elas e nem poderia ser. Tristes são aqueles, que não as viveram. Ainda eu acho, que não vivi tudo. Bom, mas vivi quase tudo. A essência de uma vida, passou por mim, por todos nós e isso chega para estarmos juntos.
Momentos… “Momentos que passam, saudades que ficam”. Foram de longe, os melhores tempos da minha vida. Momentos intensos de quem bate os seus sapatos na calçada, de quem aperta o botão da camisa, de quem fala ao “bicho”, de quem grita F R A e sobretudo, de quem traça a capa ao anoitecer. Tão especiais, são os nossos estudantes de Évora. 

É isto que me move, é isto que me faz largar a minha cidade, a minha capital para ir passar o dia à cidade que um dia foi minha, que um dia foi de todos nós. É por este “nós” que faço questão, de fazer estes tão desejados 130 quilómetros.

 Até já, Évora. Urra!!!

quarta-feira, julho 16, 2014

Varrer Ruas

Querido diário,

Todos os dias quando vou para o meu estágio e saio pela manhã, passo em Loures e vejo uma menina a varrer ruas. Ora bem, uma menina já na casa dos seus vinte e tal anos, mas o propósito de eu falar nesta menina é: uma rapariga nova a varrer ruas? Pois é, parece coisa que alguns não questionam, mas existem alguns pensamentos que advertem desta visão que tenho todos os dias. Sei que, em primeira instância esta menina pode estar a fazer trabalho comunitário por ter feito algo incorreto, mas acham que foi isto que pensei? Não. O meu pensamento foi além da crítica, como se a rapariga de cabelos longos precisasse do trabalho ou quisesse trabalhar. O meu pensamento foi, a menina que está a varrer ruas, tem todos os dias com um sorriso na cara, diz bom dia alegremente às pessoas e tem emprego. Tem um emprego ou um trabalho que é honesto como outro qualquer e que, por melhor ou pior que possa ser segundo outras opiniões, esta menina pode não estar a fazer o que gosta, mas está com um sorriso na face. Pode não estar a fazer o que gosta, mas quer trabalhar e trabalha e ainda mais, trabalha com um sorriso na cara! E é disto que precisamos. Um sorriso na cara e um "bom dia" todos os dias, porque os dias são para viver, até mesmo os que trabalhamos. Precisamos de vontade de trabalhar seja no que for e ser amável com o próximo. Porque como vêm, até o que para algumas pessoas é um simples varredor de rua, nos pode ensinar qualquer coisa.

Saudações alegres.

quarta-feira, maio 28, 2014

C'

Querido diário,

Na semana passada, despedi-me de mais uma amiga que foi à procura de um sonho fora do nosso pequeno País. Na verdade, não me despedi e desta vez não por não gostar de despedidas, mas porque me troquei nos dias numa mistura de dias que ela pretendia viajar. Mas sim, não gosto de despedidas, mas desta vez, tinha ido, mesmo às seis da manhã. Queria ter deixado, pelo menos "Boa Sorte". Como não desejei, aqui ficam coisas que já dissemos e ficam na memória, aqui ficam umas palavras soltas, para finalizar a minha "não despedida".

A nossa despedida foi em festa, nem poderia ser de outra forma. Numa vila do Alentejo, onde já há muito estava para ir e desta vez não poderia deixar adiar o convite, tive de conhecer antes de a ver partir para a "terra das oportunidades". Ela não gosta muito destas coisas e de lamechices... aliás, na verdade não sei se será não gostar, porque afinal, lá no fundo, todos gostamos. E às vezes quem é mais frio consegue ter um coração maior, simplesmente não precisa de o abrir para o mundo inteiro.
Bom, eu e ela tivemos algumas desavenças, outras alturas mais afastadas, mas o interessante é que foi das pessoas que sempre teve ao meu lado quando precisei. Sempre teve ao meu lado tivesse ou não razão. Nem que fosse para discutirmos uma com a outra ou dizermos mal, o que realmente importa é que no final, bem ou mal, estamos ali e depois... depois há muitos que não estão. Não posso negar, que apesar de tudo, sempre gostei muito dela, tenho um grande orgulho por ser uma lutadora e saber sempre o que quer da sua vida. Hoje em dia, não há tantas pessoas assim. Existem sonhos, mas não existem objetivos. Posso dizer que ela me ensinou algumas coisas e espero que ensine outras tantas, porque ainda nem temos trinta.

Para finalizar, sempre disse que tenho a maior sorte do mundo por ter os amigos que tenho. Cada um consegue completar tudo aquilo que preciso e que faz parte de mim. Mas hoje, é para a Clau...
E se algum dia, achares que estás sozinha, lembra-te sempre:
"Às vezes para vermos a cores do arco iris, tem de ser à luz da Lua".

Até já, Clau.




domingo, maio 18, 2014

6 Meses

Querido diário,

Já passaram seis meses desde que me despedi do meu coelho Bennie. Na verdade, nunca tive coragem de escrever como tudo aconteceu e na verdade seria doloroso demais, transmitir. Afinal, merecem ficar as boas memórias. Mas nem sempre são apenas essas que ficam. Faz hoje seis meses, por volta das dezoito da tarde a uma segunda-feira, dia 18 de Novembro de 2013, que o telemóvel tocou da clinica onde estava o Bennie internado e eu ouvi: "Infelizmente, o Bennie não resistiu". Nunca na minha vida vou esquecer a voz da médica e estas palavras.

Seis meses depois, posso dizer que todos os dias penso nele. Ao longo destes seis meses leio muito sobre coelhos, porque nunca soube do que ele morreu, leio por vício, para aliviar a minha dor e para conseguir ajudar o próximo. Ajudo os animais que possa como antes, mas agora ainda com outro ponto de vista e com um coração diferente. Tenho outra coelha, a Bonnie, em homenagem ao Bennie. Um doce de coelha, amorosa, ainda bebé, uma binky bunny, uma mega trituradora de feno e devoradora de tudo. O Bennie marcou a minha vida para sempre. Deixei de comer carne, pouco depois que o Bennie partiu. Por ter percebido que todos têm direito a uma vida melhor e que faz parte de mim esta opção. Faz-me melhor a todos os níveis. Não tenho de justificar a ninguém, nem precisam apontar o dedo, são as minhas opções. Afinal, não tenho razão nenhuma para não o fazer, antes pelo contrário. Ser vegetariano, é uma opção, é um modo de vida e apenas faço aquilo com que me sinto bem.

Na vida, quando crescemos chegamos a uma altura em que olhamos as coisas de outro modo e estamos sempre a tempo de mudar. É assim em tudo na vida. Afinal, isto são apenas umas breves férias que temos de aproveitar. Não é por nada daquilo que sofremos que isto deixa de ser tão bom e que prazer, ter tudo aquilo que tenho! E que prazer e orgulho, ter tido o meu Bennie. Oxalá eles soubessem, o quanto nos fazem felizes.

Meu amor, mais uma vez, espero que tenhas encontrado a Paz.

R.I.P. Bennie.




sexta-feira, maio 02, 2014

Parabéns Campeão!

Ted, por tudo e por nada, "és o amor da minha vida, és o meu cão".

Muitos Parabéns Campeão, por estes indescritíveis 10 anos.

(amanhã coloco fotografia de hoje).

segunda-feira, abril 14, 2014

Hoje e sempre, pelos animais!

Querido diário,

Não só porque é hoje, mas porque foi um dia especial. Não só porque não escrevo há meses sem me lembrar quase que existes. Mas hoje existiu um acontecimento que quero partilhar. Hoje e sempre, pelos animais.
Hoje de regresso a casa, encontrei um cão vadio a caminhar à beira da estrada, como existem muitos. Mas hoje, decidi ir ao encontro dele, hoje não consegui apenas seguir o caminho para casa como se quase nada fosse. É triste ser nestes "quase nadas" que muitos vivem ou mesmo no nada. Hoje parei, não apenas por pena, mas por achar que ele não merecia aquilo, como nenhum merece. Agora podem dizer, e as pessoas não merecem? Não sei, não estou aqui para falar de pessoas, de pessoas já existem muitos para falar.
Hoje decidi parar porque não era apenas um cão vadio no seu passeio. Era um cão manco, quase sem pêlo nenhum e parecia velhinho. Voltei atrás com o carro, encostei e procurei-o. Quando fui ao seu encontro, era um cão manco, apenas com pele, de barriga inchada, testículo inchado, crostinhas perto da cabeça e magro que se via os ossinhos todos atrás. Como se não bastasse, tinha um medo enorme de pessoas. Não consegui tocar-lhe, ele fugiu. Decidi seguir de carro e tentar apanhá-lo mais à frente. Não consegui sozinha. O cão apenas continuava a andar e andar à beira da estrada. Tentei mais uma, duas, três, quatro vezes... O cão passava e ninguém olhava, como se passasse despercebido, em hora de ponta. Tentei contactar alguém que me ajudasse, nada consegui e perdi-o de vista.
Perdi-o de vista de lagrimas nos olhos, mas não foi sozinho, levou um bocadinho de mim e eu fiquei com um bocadinho dele. Sei que a probabilidade de ele ser ainda feliz é muito pouca. Mas, tenho esperança que alguém o encontre e o ajude. Neste mundo ainda há pessoas boas e essas pessoas são ricas para ajudar. Não ricas por terem dinheiro, mas ricas porque têm outros valores que alguns não conseguem ter, apesar de todos termos capacidade para o mesmo. As capacidades são aquilo que quisermos fazer delas.
Existe sempre a esperança de um dia tudo mudar e chegar a altura de pensar mais nos animais. E as pessoas? Nas pessoas, muitos já deveriam pensar e muitos já pensam bem ou mal. Meus caros, o ser humano tem capacidade para pensar em mais que uma coisa aos mesmo tempo e até mais que duas, portanto e os animais?
Um animal de estimação é para ser parte da família e estar no seio da mesma e é nisso que se deve pensar com a sua chegada a nossa casa. O animal não é para ser a ajuda no momento certo, não é para servir de consolo, não é para servir de alarme para ser guarda, não é para estar acorrentado sabe lá deus a fazer o quê. Um exemplo de que, existem psicólogos que tratam depressões e sistemas de alarme que guardam as casas. Já sem falar de outras tantas coisas ligadas a outras tantas áreas.
Se não têm condições não os tenham, se gostam deles não os deixem, não desistam, denunciem os maus tratos, tenham esperança. As coisas fazem-se aos poucos e o não fazer nada não é solução mas é sim o problema. O problema de isto continuar é as pessoas passarem por lojas e não reclamarem, é verem maus tratos e nada dizerem, é o chamado compactuar com estas situações. É tão ladrão o que entra no banco, como o que fica à porta. Um telefonema, um e-mail, pode salvar muitas vidas. Às vezes, não se salva, às vezes não se chega a tempo, mas acontece em tudo nas nossas vidas.
Na vida, todos temos capacidades para ajudar e acarinhar, a recompensa de o fazer é enorme. Seja que ajuda for, volta sempre para nós de alguma forma. Mas não é a pensar no futuro que se ajuda, é porque quando se ajuda, desperta um sentimento de euforia, de satisfação indescritível, que apenas sabe quem o faz e quem o consegue fazer. Agora, não falo apenas de animais. Mas, hoje é apenas para eles, os animais são parte das nossas vidas e parte deste mundo. Vamos fazer todos, com que este mundo seja um bocadinho melhor... Hoje e sempre, pelos animais!



Saudações carinhosas.

sexta-feira, janeiro 03, 2014

New year!

Querido diário,

Não tem sido fácil, nada fácil. Mas a vida continua, não é assim? Este ano nem feliz Natal, nem coisinhas de Natal, nem receitas... Mas, não estás esquecido! Recuperarei forças, como sempre, seguirei em frente e cá virei "escrevinhar" mais vezes. Afinal, sou tão sortuda por ter tido algo, que me custou tanto dizer adeus. Só custa, porque significou muito, significou mais do que aquilo que eu possa dizer. "Oxalá" um dia, nos encontremos todos.
Seria para falar de Ano Novo? Que seja melhor 2014 que 2013? Que o melhor de um ano, seja o pior de outro? Entra com o pé direito? 12 passas? Ora... deixemo-nos de tretas. O que faz um mês, um ano, uma vida, são as pessoas. As coisas não mudam porque muda o ano, não vão correr melhor as coisas porque é ano novo. Tretas, ilusões, necessidades psicológicas de acreditar numa coisa qualquer. Por ironia, acredito mais que mude com as fases da lua.
A atitude, a mentalidade, o coração é que tem de mudar. Assim é que se aprende, assim é que se vive. Este ano, a minha frase de eleição é "são as pequenas coisas que fazem a vida ser maior" ou então "a felicidade está nas coisas mais pequenas". Cada um, interpreta esta frase à sua maneira. A mim disseram sem me conhecerem, sem saber o que se tinha passado, como se por magia precisasse de ouvir novamente. Aquela frase, que já sabia em tempos, nesse dia veio no momento certo, de iniciar uma nova fase. Mas uma nova fase, não porque é ano novo, é apenas porque passei com distinção, mais um capitulo na minha vida. Ganhei mais saudade, mas sou muito mais rica. Assim, pensem nas pequenas coisas da vossa vida, nos pequenos pormenores... porque são esses às vezes, que fazem falta. Feliz Ano Novo.

Saudações com saudade.