Diário d'Inês

domingo, novembro 30, 2014

Quase 30

Querido diário,

Se algum dia alguém te disse que irias fazer 29 anos, enganou-te. Quando esse dia chegar, não fazes 29 anos, fazes quase 30. E assim os verás, quando pensares na tua idade, são quase 30 anos. A meta dos 30, é quase alcançada e começas a ouvir bocas do “quase trintão”. A verdade é que, sentes-te assim. Tenho um free-postal comigo há uns 5 anos, que diz “disseram-me que ia perceber quando tivesse trinta” e assim te vais sentir, com quase 30. A meta entre ¼ de século e a idade dos trintões são apenas 5 anos. Mas são 5 anos onde, na realidade, acontece muita coisa. E não é apenas pelo que vives, experiências ou sentiste é pelo tempo e pela vida que passa por ti. Pode ser por tudo isso, mas só isso não chega. Porque o tempo passa por nós, muitas vezes sem te aperceberes. Quando chegas aos 29 pensas... Já?! Não sei se quero, já chega.
Se a partir dos teus 25 percebes algumas coisas, aos quase 30 percebes outras tantas e deixas de ter paciência para mais de metade das que já tinhas percebido. Deixas de ter paciência para conversas fúteis e banais, que por mais que antes dizias que não tinhas paciência, agora é que não tens mesmo, porque nem sequer as ouves. Começas a querer outro estilo de vida e nunca fazes as coisas apenas pela metade. Se fores um apaixonado por viver, exiges de ti e dos outros muito mais que antes. Não toleras mentiras, nem criancices. Sentes-te melhor com as pessoas da tua idade e gostas de ajudar os mais novos, assim como ouves melhor os mais velhos. Apercebeste que as mesmas experiências, realizadas com idades diferentes, é totalmente diferente. Mas apercebeste disso em várias fazes da vida e cada uma delas com outros olhos. E os 30, ou quase 30, é uma linha importante, sem dúvida.
Se queres ver a coisa com uma certa piada e fores mulher, pode ser uma boa fase. Os homens falam sempre bem das trintonas, mais decididas, experientes, activas e atraentes. Começas a ouvir sempre umas certas piadas à cerca disso. Basicamente, se não o fores aos 30, como dizem, já nunca mais vais ser. E na verdade apercebeste que mudas muito como mulher, as tuas exigências, pensamentos, conversas. Não tens problemas em dizer o que pensas, nem tabus em conversas, nem gostas de quem fala pela metade. Simplesmente falando, tornaste uma Mulher.
Na verdade, tu é que fazes a tua idade… Não, não é bem assim. A tua idade é que faz o teu espírito. Os teus anos, a tua vida e maneira de ser, fazem o teu espírito ser mais ou menos jovem, mais ou menos adulto. Mas é o passar do tempo que te dá as oportunidades e aí está a tua idade, que viveste como achavas que devias viver. Sentiste o que a vida te proporcionou baseada nas tuas escolhas. E de repente, tens quase 30. Os meus quase 30 posso dizer, foram bem vividos. Nas quantidades e no tempero certo. Posso dizer, que apimentei a minha vida, com o que ela me deu de melhor!

Saudações quase trintonas.

domingo, novembro 23, 2014

Um dia

Querido diário,

Um dia vais perceber, que na vida nada é certo. Um dia vais perceber que o teu caminho és tu que escolhes, mais ninguém. Vais perceber que os teus actos levam a outras escolhas e que nem sempre segues o caminho que desejas e que sempre esteve lá. E que muitas vezes te esqueces de qual era o caminho sem te aperceberes. Vais perceber que segues o caminho que tens de seguir ou, em certas alturas, segues apenas em frente, sem saber qual o teu caminho. E isso não é ruim, é viver, é ver a vida e é acreditar. Vais perceber, que quando te perderes nem todos vão lá estar e apenas vai estar quem realmente sempre esteve e sempre se importou contigo. Vais perceber que são poucos os que lá estão, mas são verdadeiros e vão caminhar a teu lado, não importa para onde vais. E vais perceber, que ninguém disse que ser feliz era fácil. Que quando fazes as tuas escolhas, tem de ser certas para ti e sem viver o que está para trás. Porque se revives, não escolheste verdadeiramente. Mas vais perceber que há coisas que não podemos deixar para trás, há coisas que temos de levar connosco no coração. Porque amar, não é para todos, mas apenas para alguns. Cuidar faz parte e deves dar sempre valor a quem esteve a teu lado, até nas mais pequenas coisas. E que o amor, não se mede aos palmos mas constrói-se. Que para ficar junto, é preciso respeitar, dar o teu melhor e saber lidar com o pior. E que por vezes no final de tudo, tens de guardar esse amor apenas para ti e saber viver com ele. Vais perceber, que as palavras apenas importam quando alguém significa algo para ti. Mas são os teus actos que te definem, porque palavras é fácil dizer. E que podes até mudar como pessoa, mas as memórias não mudam. Vais perceber, que às vezes as pessoas não são o que tu pensavas que eram. E sem saberes a razão, elas desiludem sem estares à espera. Que tudo o que queres fazer por elas, elas não vão fazer por ti. Ainda ficam com ideias erradas da tua pessoa sem razão ou porque lhes convém. E que tudo o que lhes deste, pode ter sido em vão. Vais perceber, que muitas vezes as pessoas magoam sem ter intenção disso. E que muitas vezes se não disseres as coisas, elas não vão entender. Mas também vais perceber que a mágoa pode ser esquecida e as feridas são curadas com amor. Basta querer. Vais perceber, que tens de te focar na única razão para dar certo e não nas outras todas que podem dar errado. Um dia vais perceber, que não se manda embora quem realmente nos quer bem. Porque esses, são os que vão estar sempre sempre lá. Um dia vais perceber, que os poucos, mesmo que sejam loucos, são os verdadeiros.