Diário d'Inês

quinta-feira, janeiro 29, 2015

terça-feira, janeiro 27, 2015

Bonnie

Querido diário,

Como o tempo passou, como se passou um ano. Faz hoje um ano que a doce e bebé Bonnie veio até mim. A minha coelha, minha princesa. Lembro-me como se fosse ontem. O meu amigo Mauro veio com ela de Faro, ainda com um mesinho. Nenhum bebé deve sair tão novo de perto da mãe. Mas, assim o foi, por diversos motivos. 

A Bonnie chegou a Évora ainda pela manhã, perto da hora de almoço, numa caixinha de cartão com uma toalhinha. Era tão tão pequenina. Cabia na minha mão. Tirei o seu pequeno corpinho da caixa e coloquei em cima da mantinha das borboletas. Ela depressa foi fazer um pequeno xixi pelo tapete e começou aos binkies. Logo logo comeu o seu feno e deu mais uns binkies. Para quem não sabe, binkies são os típicos saltos que os coelhos dão de felicidade. Era um binky bunny a minha lady, que ainda não sabia que era uma lady. Quis logo quentinho do aquecedor e adormeceu no meu colo enrolada na manta. A sua primeira noite, foi às voltas da gaiola, a perceber onde estava e o que eram aquelas grades. Dormiu na sua manta e no feno, nos dias seguintes dormia dentro da toca na gaiola. Mas, não bebia água e dava-mos de seringa, com medo que ela desidratasse. Tive de ensinar ela a beber do bebedouro, já que na taça se podia enfiar lá dentro. Sim, era uma banheira para ela. A ração tinha de partir em bocadinhos muito muito pequeninos, se não, não comia. Apanhou umas crostinhas na pele, que rapidamente liguei para o veterinário e foi tratada com umas pipetas. Bonnie, como passavas horas ao aquecedor, quase dentro dele. Davas muitos binkies. Comias muito feno e enfiava-se dentro do suporte. Começas-te por comer salsa. Ah! E tinhas soluços (e tens), muitos! Foste logo cedo dar um passeio à rua de alcofa, ver o mundo e ver o mar. Coisas de humanos.

Era tão mini e precisava de um nome. Era o/a Bébé. Na realidade, é o nome que ela mais responde agora. Mas, pensei ser um menino, apesar da sua cara e pestanas de lady. Em tantos nomes que chamei, existiu um que ela mexia sempre a orelha: Miami. Mas algo me dizia que não era o teu nome. Até porque nunca quis saber o seu sexo quando decidi ficar contigo. Ajudar é mesmo assim. E assim ficou o Miami.  Até nos mudarmos para Lisboa e irmos ao veterinário. "É fêmea" disse o Dr. Rui Patrício e eu disse: "É a Bonnie". Obviamente, não poderia ter outro nome em memória do meu Bennie. Como se fosse quase por magia.

Cresceste, ficaste uma princesa refilona. Resmungas e rosnas quando não gostas das coisas e escavas como se não existisse amanhã. Se for preciso dás uma trinca só para te mostrar. Adoras tudo, desde feno, legumes, ração, não há nada que não gostes. Sim e escavas, muito, passas uma hora a escavar. Já destruiu tapetes e mantas. Mas continua a gostar de colo e dos meus apertos de beijos. Pelo menos, eu acho que gosta. E quentinho. Agora dormes na tua cama de plástico rosa, onde no fundo tem tecido polar. Dormes sempre lá de noite, bem bolinha e quente. Gostas de dormir na wc, para apoiar o queixo no rebordo. És uma tonta. Mas és muito limpinha e não fazes nada fora. Gostas de sol e de ir ao quintal. Exibes o teu peito felpudo e esticas o nariz como se fosses a dona do pedaço. És uma Lady!

Assim se passa um ano, na tua companhia. Minha doce princesa. Quem venham muitos mais!

Saudações coelhólicas.







 


sábado, janeiro 03, 2015

Aprender #2014

Aprendi que posso mudar o meu modo de vida e ajudar a salvar vidas. Aprendi, que a melhor maneira de honrar um animal, muitas vezes, é ajudar outro. E, quantos mais, melhor. Aprendi, que os animais fazem parte da minha vida, para sempre. "A compaixão pelos animais é das mais nobres virtudes da natureza humana".

Aprendi que perdoar, algumas vezes, não se faz pelo outro ser digno de perdão. Perdoar faz-se para seguir em frente e encontrar paz dentro de nós mesmos. Aprendi que muitas vezes perdoar é deixar, sem vontade de olhar, tudo aquilo que estava para trás. "Não perdoes por alguém, perdoa por ti".

Aprendi, que não deves ter a teu lado quem não acrescente nada de novo à tua vida. Quem não te traga paixão e viver. Quem não te complete. Quem se acomode ao que a vida dá (ou não) e sem vontade de querer (viver) mais. Quem não te faça sorrir, surpreender, brincar, emocionar. Quem não se orgulhe de quem és. Lembra-te que todos são agradáveis quando não os conhecemos realmente bem. Às vezes isso pode demorar anos, mas nunca é tarde para deixar ir. Deixa ir quem não queira percorrer o mundo, conhecer o mundo. Conhecer a vida. Quem não saiba viver. Não deixes ao teu lado quem não te acrescenta e apenas diminui. Afasta essas pessoas, deixa-as no seu mundo, não no teu. "Recomeça e faz crer que viver não é existir".

Aprendi, que se não te orgulhas da vida que tens deves ter a coragem de a deixar e seguir outro caminho. Aceitei aquilo que sempre quis para a minha vida, que me levantassem os pés e me fizessem voar. Que quero ao meu lado quem está disposto a fazer o mesmo. Quem está disposto a viver. "O segredo da felicidade é liberdade. O segredo da liberdade é coragem".

Aprendi que por vezes, muito erradamente, queremos dar passos atrás na nossa vida, por julgarmos em alguma instância que seria melhor se tivéssemos escolhido diferente. É errado. Quando escolhemos e seguimos esse caminho existiu uma forte razão para o fazer. A razão é querer ser feliz. Nunca desistas dos passos que soubeste que seriam melhores para ti. Orgulha-te por teres tido a coragem de quereres ser feliz, quando muitos não conseguem. No final de uma etapa vais perceber e aprender, que foi a melhor coisa que fizeste. "Há sempre uma razão para cada acontecer". 

Aprendi que estares sozinho, leva-te a descobrir mais de ti próprio. Estar sozinho faz parte da vida e, há alturas, que todos deveríamos focar-nos em nós mesmos. Porque a única certeza que tens na vida é que é contigo próprio que vais ter de lidar, para sempre. Só consegues ser realmente feliz com alguém se souberes ser antes feliz. Não vivas na mentira de ti, nem dos outros. Não penses que por teres alguém que és melhor. Enganas-te e é o teu maior erro. Apaixonar-te é o mais fácil. Difícil é o resto.  Deixar de repetir coisas iguais vezes sem conta, sem saberes. Aprendi o quão importante é conheceres os teus limites e as tuas capacidades. Aprendi, que deves saber quem és e saber responder a essa pergunta, sem hesitar. Só assim vais ser feliz e fazer feliz. "Podem caminhar ao teu lado, mas ninguém o faz por ti".

Aprendi, que jamais mudas por alguém mas que realmente as pessoas mudam. Mas as pessoas apenas mudam quando elas próprias querem, quando elas próprias precisam. Quando têm na sua vontade o querer de ser alguém melhor. Quando querem ser alguém na vida e não apenas a vida de alguém. Quando querem marcar a diferença dentro delas próprias. "E se for para mudar, muda pela única pessoa que vale a pena: tu".

Aprendi que somos todos diferentes e que nem todos admitem ser como são. Aprendi, que há pessoas que não conseguem estar sozinhas, porque o convívio com elas próprias pode não ser suportável. E nem querem tentar e nem sabem porquê. Com essas pessoas, não perco o meu tempo, elas não sabem o ser com que certamente vão ter de lidar o resto da vida: elas próprias. E se não sabem, não te vão mostrar o que realmente são. Estar sozinho faz bem, sabe bem. Não é preciso ter alguém, é preciso ser alguém. Só dás valor aos outros quando te conheces a ti próprio. Só dás valor, quando terminas a tua jornada, testas os teus limites e encontras o teu significado de viver. “O essencial da vida é invisível aos olhos”.

Desapaguei-me das coisas que não valem o nosso tempo. De pessoas, de objetos, de momentos. Dei valor a mim mesma e a quem sempre esteve comigo. Aprendi que a vida não é feita de nadas. A vida é feita de tudo. Nunca me irei contentar com o pouco. A minha sede de viver vai bem mais além que isso. Não me contento com poucas amizades, pouco amor, poucos abraços, poucos passos, poucos lado-a-lado, pouco conhecer. Viver está em querer mais e querer bem. “Eu coleciono momentos, não coisas”.

As amizades são tudo o que me importa para seguir o meu caminho. E são tudo o que (e por quem) vale percorrer distâncias, cruzar fronteiras e mesmo com pouco tempo, aproveitar a madrugada. Não aprendi isto, mais uma vez, constatei isto. A vida vai ensinar-te quem deves ter a teu lado e quem nunca deves ter. Sou tão afortunada por ter os amigos que tenho, que sempre tive. Que nunca me deixaram. Que tudo continua como se fosse ontem. "Há pessoas que nos dão pena. Outras, asas".

Aprendi que muitas vezes tens de saber desligar o complicómetro. Há coisas que complicamos demais quando a vida é tão simples. Aproveitar cada instante que a vida nos dá. Fazer desse instante um momento. Criar momentos, com amor. Escreve e retrata por ti, não por ninguém. Porque há sempre tempo para ser feliz. "Onde quer que vás, leva amor no coração".

Faz o teu ano, a tua história, faz acontecer.