Diário d'Inês

quarta-feira, julho 29, 2015

Paz de espírito

Querido diário,
Quando não percebes tudo agora, mas tudo faz sentido quando:
«quando te amas de verdade, paras de desejar que a tua vida seja diferente e começas a aceitar que tudo o que te acontece (de bom e de mau) contribui para a pessoa que és. 
Aprendes que isso tem um nome: maturidade.
Quando te amas de verdade, desistes de querer ter sempre razão. Preferes sempre, sempre ter paz.
Aprendes que isso tem um nome: humildade.
Quando te amas de verdade, começas a dizer 'não' a tudo que te faz mal. No início achas que isso é egoísmo. Depois, aprendes o verdadeiro nome: amor-próprio.»
Quando és feliz, do jeito que és.
| adaptado de Charlie Chaplin em "Às nove no meu blog"

quinta-feira, julho 23, 2015

Às vezes...Apaixonas-te.

Às vezes tenho noção que magoa, que o tempo custa e que na realidade não quero ninguém. Tenho noção que estar com alguém pode ser estar sozinha. E tenho tanta noção do quanto eu quero estar sozinha. Sozinha mas não só. E o quão bem e feliz estou. Às vezes o coração bate mais forte pelas razões incorretas. Às vezes tenho noção que não estou sozinha. Às vezes não me ouço, não sinto e não quebro o meu silêncio. Tenho noção daqueles abraços vazios e beijos que não sabem a nada. Daqueles dias fúteis que despes preconceitos. Tenho noção de ser sempre mais eu. Noção de querer ser apenas eu. De ser egoísta. Oh se tenho! Mas às vezes, então, que não consigo. Tenho de abrir aquele silêncio que me faz gritar. Às vezes, sem querer, sentes aquele abraço. Sem querer, sem pensar e sem procurar. Sentes aquele abraço. E tens noção que queres que o tempo pare por ali. Noção que não faz sentido mas faz sentir. E então às vezes sinto e faz tremer, enlouquecer. Mas faz sorrir. E às vezes… às vezes apaixonas-te. Nem que seja apenas por aquele momento.