Diário d'Inês

sexta-feira, dezembro 23, 2016

Neste Natal o presente sou eu

Querido diário,

Neste Natal o presente sou eu contigo. Contigo onde me lembro do cheiro daquelas manhãs quentes de Natal. Cheirava a fritos das rabanadas e filhoses do dia anterior. Cheirava à lenha queimada e conversas desvanecidas no fumo penetrante da sala. Contigo cheirava ao chá fervido, que aquecia a manhã, enquanto eu, criança, acordava num alvoroço. Cheirava aos doces sorrisos. Ouvia sorrisos ao correr pelo corredor até à lareira onde já não estava a minha bota. Encontrava os presentes. Mal sabia eu que os presentes não eram aqueles. Os presentes eram vocês. Os presentes, agora, encontram-se debaixo da árvore. Existem as meias na lareira, onde cada um oferece o seu. As meias, também elas são poucas. Mas têm o cheiro de uma vida. Têm as histórias dos que partiram e o viver dos que ficaram. E neste Natal o presente sou eu contigo, minha avó. Neste Natal, ainda estás comigo.


quinta-feira, novembro 24, 2016

Minha Lisboa

Foste a primeira que os meus olhos viram. A luz que me fez crescer. Nas ruelas escondidas. Calçada de uma vida. Minha Lisboa, minha querida. Foste a razão de partir, desejo de ficar. Que me abriu o horizonte a outro mar. Foste paixão, foste amor. Meu eléctrico que leva a dor. És meu fogo, minha garra. Ficar aqui, ver-te assim. Razão de ser, do que há em mim.




quinta-feira, outubro 06, 2016

Arco Íris

Querido diário,

Citações minhas, que fazem sentido, quase aos 31.

"Ainda sou aquela miúda que para fazer acontecer é preciso sonhar. Mas sou aquela miúda que sonha - às vezes - com os pés assentes na terra.Ainda sou aquela miúda que nunca perde a esperança, porque milagres acontecem a toda a hora. Mas sou aquela miúda que sabe que desistir é diferente de deixar ir.
Ainda sou aquela miúda que chora como uma criança, mas que tem a força de uma mulher.
E ainda sou aquela miúda que acredita que, no final, o amor vence sempre. E o amor, está nas mais pequenas coisas da vida. O amor está em vocês. E em nós.

in diário d'Inês 

A vida é o arco íris dos teus sonhos.
E o ouro aparece sempre na altura certa para os sonhadores.


quinta-feira, agosto 04, 2016

Na minha pele

Querido diário,

Na minha pele quero sonhos. Quero as minhas cicatrizes. Quero as rugas que o tempo deixou. Quero ser a mulher que a vida me tornou. Na minha pele quero que toque quem me curou. Quero quem teve a coragem de me levar. Sem destino, sem rumo certo, mas para qualquer lugar.
Na minha pele não tocam instantes. Não quero amantes. Na minha pele não quero apenas horas, porque na minha pele quero histórias. Não quero prazos, não quero limites. Porque quero quem me conquiste. Aos poucos, devagar, até onde a nossa vontade nos levar.
Na minha pele não tocam momentos vazios, frios. Na minha pele quero sentir. Na minha pele quero prazer, quero gemer de quem me faz gostar. Hoje e amanhã e sem nada nos limitar.
Na minha pele quero quem me queira, fria, emotiva, criança e mulher. Na minha pele quero quem me toque na alma. Não quero promessas, nem juras. Mas quero partilhar medos e todas as loucuras.
Na minha pele quero quem me procure, quem me descubra devagar. Quem me abrace, quem me agarre. Que tenha vontade de estar. Porque na minha pele quero que toque apenas quem queira ficar.

#vontade #querer

quinta-feira, julho 14, 2016

Portugal Champion d'Europe

Querido diário,

Em todos os jogos de cachecol na mão, a gritar quem iria ser o campeão.
Minuto a minuto a sofrer. De pé, nos longos últimos segundos para te ver vencer. Portugal!

Não pedi para ser Portuguesa, apenas tive sorte.

Parabéns miúdos, fizeram história!
10 de Julho de 2016.


terça-feira, junho 28, 2016

Uma noite de prazer

Querido diário,

Shh. 
Deixa-me tapar-te os olhos, concentra-te na minha voz, ouve o meu convite. 
Não desapareças com esses olhos que me penetraram quando passei por ti. Para dois corpos que se desconhecem, os nossos olhares já se tocaram umas mil vezes. Se é assim numa manhã de café, imagina logo à noite entre a sala e o quarto, os lençóis e o chão. Sim, hoje à noite. Regados pelo vinho e queimados pelo prazer. Vais fazer de mim o que quiseres que serei mulher de ti mesmo sem motivos. Basta existirem dois corpos a palpitar de vontades. 
Hoje.
Vê o sítio no papel e não venhas tarde.



Outro texto do desafio #7hink com segundo lugar.

#umanoitedeprazer #diáriod'inês

terça-feira, junho 07, 2016

sexta-feira, junho 03, 2016

Beijos vermelhos

Querido diário,

 Fujo porque os nossos beijos já não têm sabor. O tempo levou o sabor da paixão. Levou os beijos quentes de verão. Os beijos loucos de inverno. Beijos que morreram na nossa primavera. Uma primavera pintada de negro, onde fujo com o vermelho do amor. Fujo com os nossos beijos vermelhos.
Fujo porque é de vermelho que te amo até às entranhas da minha pele, até ao mais ínfimo pormenor do meu corpo. Corro por esta estrada fora sem destino. Sem desejar que nos cruzemos novamente. Fujo de um amor que ficou sem sabor. Fujo do meu amor vermelho. E do teu amor sem cor. Porque os nossos vermelhos beijos, o nosso amor levou. O nosso amor negro. 
Já só existiam os beijos negros. Num beco sem saída, num caminho perdido. Beijos obsessivos. Beijos possuídos. Um beijo ardente que me queimava a mente. Fujo porque não quero mais esses beijos viciantes. Quero encontrar saída do labirinto desses teus beijos dementes. Os teus beijos sem cor. Beijos sem sabor.
Fujo com os beijos vermelhos antes que os perca de vez. Corro e tento encontrar a saída. Fujo com esses beijos que me coloriam a alma. Beijos quentes que me tiravam a calma. Fujo estrada fora para os guardar. Os nossos beijos que nunca irás encontrar. Cansada contínuo a correr à procura de um sítio para os deixar. Porque o que tu tens agora é um beijo negro. Um beijo sem sabor. E esse beijo eu não sei dar.




#beijos #amor #diáriodinês 

quarta-feira, junho 01, 2016

Escolhas

Querido diário,

Um outro texto que escrevi para participar no desafio da #7hink.

No amor não se traçam limites. Não existe um ponto definido entre o que é certo e errado. A única linha que podes traçar é a do infinito. Porque amar é infinito. E infinitamente impossível definir.
Então, não me venham com as tretas de uma escolha por 
amor. Não existem escolhas por amor. O amor é a escolha. Tudo o resto são consequências. És tu que escolhes amar. E, então, amar é aceitar. E eu aceito ver feliz quem amo. Mas sei que aceitar não é perdoar. E que se podes partir, eu posso não querer ficar. E assim eu escolho. Sabes, longe ou perto, eu quero que sejas feliz.
E é assim que as nossas escolhas se definem num único caminho. O da felicidade. E és tu que escolhes. Que se dane as escolhas do teu amor. O que tu aceitas não são as escolhas de quem amas. O que tu realmente aceitas é a felicidade. Tu queres ver quem amas feliz. Porque é isso que te faz feliz. E isso é amor.




#amor #escolhas 

terça-feira, maio 24, 2016

Cartas #1

Meu querido,

Desculpa se te usei. Desculpa se despi os meus preconceitos. Se me entreguei. Em tão poucos dias, cheios de magias. Desculpa.
Os nossos passeios estrada fora sem destino. Os nossos risos do desatino. As noites no hotel à beira da estrada. As confissões à beira-mar. As nossas lágrimas a ver o sol raiar.
Desculpa, mas, sabes... há tantas formas de amor. E tantas formas de viver. De fazer acontecer. Não quero saber a correcta. Oxalá eu esteja certa! Importa que seja feliz.
Desculpa se o motivo do teu sorriso sou eu. Os nossos dias que não foram dias para todos os dias. Os dias do para sempre. Que me roubasse o coração eternamente.
Momentos que passam e são os tais. As aventuras de quem não te podia dar mais. Além de um copo de vinho, o desejo, um cigarro, os lençóis molhados. Os corpos suados.
Desculpa se o motivo das tuas lágrimas sou eu. Desculpa por partir, mas não vou fingir. E foi sem querer que te magoei. Mas, tu sabes, porque eu não fiquei.
Desculpa, sei que mereces mais. Sei que mereces que eu não te deixe para não doer tanto. Mas a minha liberdade e as minhas aventuras têm o seu encanto.
Desculpa se eu quero ser livre. Se quero conhecer o mundo. O mundo em mim. Mas, sabes, eu estou aqui. Estarei sempre para ti.
Estou aqui e vou-te deixando, para não doer tanto, tal como tu me pediste.


segunda-feira, maio 16, 2016

TRI

Querido diário,

Tenho de registar este momento. Foi em todos os jogos. Foi até ao fim. E em todos os momentos... Contigo!
E foi para nós e por nós!
Para o ano, lá estarei de novo para te apoiar.
Hoje, é a preto e branco, porque de vermelho já chega o coração. 35!

Obrigada Benfica!

#SejaOndeFor #AtéAoFim #SLBenfica

Saudações gloriosas.

sábado, maio 14, 2016

Paixão

Querido diário,

É com prazer que fui vencedora do desafio #8 na página de escritores 7hink no facebook. Tema paixão; texto: diálogo directo, entre duas pessoas que desconheciam que a paixão era mútua. 
Espero que gostem. 

"
 - Olha aquela gaivota em cima daquele telhado!
- Onde? Ai, bolas! Tropecei de novo nesta calçada!
(ele segurou-a)
- Estas a ver, pequenas distrações impedem-nos de ver o que está tão perto.
- Às vezes é nestas pequenas coisas que se encontra o amor.
- Sim, por vezes os nossos olhos são cegos.
- Como assim?
- Tem vezes que apenas vemos bem com o coração…
- Por vezes não queremos… Ele fica trancado, com os medos que criou com o tempo…
- Mas viver aprisionado é como se limitasses a alma… Abre a quem te der a chave.
- Hum… Ao abrir poderia cair de novo.
- Mas também poderias voar... Eu estou aqui para te segurar.
(silêncio)
- Olha ali a barraquinha dos gelados! Vamos comer um?
- Gosto disso... mas não sei, a última vez que comi fiquei mal disposto.
- Estarás tu com medo agora? É quase uma metáfora da conversa anterior!
(risos)
- Tens razão… Por vezes temos de arriscar! Pode ser que ao refrescar o corpo nos aqueça a alma…
- Arrisca… também estou aqui para te segurar!
- Não me digas que está lá a chave?
- Talvez esteja perto…
(risos).


Saudações apaixonadas.

segunda-feira, maio 09, 2016

Amanhã

Querido diário,

Amanhã. O que é amanhã meu amor? O que é amanha para dois corações cheios de vontade. Para dois laços que se criam em igualdade. Porque tem de ser para depois se a vontade deveria ser dos dois? A vontade que completa o vazio de te ter longe. A vontade que me consome a pele. Que alimenta o meu corpo. Porquê amanhã meu amor? É para amanhã para os corações frios. Aquele amanhã que teima em não chegar. O amanhã que chega e não faz ficar.

E depois lá vem o amanhã que volta e aparece. Aquele amanhã que pode convencer o teu coração. Mas é o teu cérebro que está sempre a dar a mão. Porque é para amanhã os que não amam. Para amanhã os que não te querem perto. Os que não fazem o mínimo esforço. Os que teimam em não ficar. Mesmo quem diz ter tudo para dar. Não forces o que devias ter por natureza. Não caias nessa fraqueza. Não teimes em ser sempre tu a fazer com que aconteça. Porque não é difícil ser hoje. Só é difícil ser quando não existe vontade de acontecer. Hoje estão os que te querem.

Só e apenas, hoje.


terça-feira, abril 26, 2016

Vivemos porque lembramos

Querido diário,

Deixo o texto com que participei no passatempo da página 7hink, com o tema Existência, baseado na frase: Vivemos porque lembramos. Versão sem cortes.

Sei que todos os dias lembramos. Sei que apenas vives intensamente aquilo que não esqueces. Porque a saudade existe para te lembrar do que foi bom. Porque o coração dói para recordares o que foi mau. Porque as lágrimas secam depois de caíres. E os sorrisos dás quando te consegues levantar. E sei porque me lembro. Sei porque me lembro que a felicidade é o que nos compõe a alma. É o que aquece o coração. É o que nos faz viver com paixão. Sei que as recordações fazem a minha história. São elas que me guiam para onde quero ir. São elas que me lembram onde não quero voltar. E é nos pequenos pormenores que não recordo que muitas vezes me perco. Sei que hoje sou o reflexo dos caminhos que percorri. Das vezes que me encontrei e das que me perdi. Sei que sou hoje o que quero recordar ser amanhã. Apenas sei porque me lembro dos momentos que guardamos. Das memórias que partilhamos. E que vivemos porque lembramos. Sejamos felizes ou não.

Saudações pensativas.


terça-feira, abril 12, 2016

Faz sentir

A vida quase como um livro. Cada página, cada história, cada capítulo. Não escrevas sem emoção. Não escrevas nada que não te toque no coração. Porque viver aquece a alma. E o que a mantém quente são aqueles que nela tocam.
Existem aqueles que querem apenas ver a capa, os que querem cada folha e os que querem partilhar os teus sorrisos e outros que querem muito mais que isso. E ainda os que te querem no livro da vida deles. Os que te colocam nele a partir daquele parágrafo. Os que não colocam ponto final às reticências e por mais aspas que teimam em existir, tiram sempre o chapéu… para te ter por perto. 
Nem todos abrem o livro todos os dias para te escrever. Para te surpreender. Para te falar das reticências, ou falar em saudade… Da amizade, da paixão ou do amor. Falar da vontade. De te ter sempre por perto. Da vontade de ti. Porque quando há vontade há sempre um caminho. E nesse caminho sabes que não existe ponto final paragrafo. 
Acrescenta o ponto final ao que não deves colocar virgulas. Não faças capítulos de quem não quer uma única frase. Frases de momentos perdidos nas memórias que ficam vazias. Momentos que não podes ser tu própria. Momentos que te fazem personagem que não és. Não vás por ir. Não caminhes apenas por andar. Vai porque queres. Porque és tu genuína, sem definição errada no dicionário de outrem. Porque sabes quem és. Sabes onde pisas. Porque tens vontade. Porque sabes que a vontade move o mundo. Porque sentes. Porque sabes viver. Porque viver intensamente é sentir que o compasso do nosso coração está ao ritmo da nossa alma.
A felicidade está sempre nas mais pequenas coisas. No desfolhar de toda a tua história. De virar outra e outra página. Faz sentir todas elas. Vive no limite. No limite dos teus sentimentos. Onde nada se pede e tudo se dá. Onde não precisas de pedir para ficar. Sorrisos, gargalhadas, abraços apertados. No limite de acrescentar mais folhas para escrever onde pensavas já não existir papel. Gestos. Beijos. Carinho. Paixão. Tesão. Momentos. Aqueles momentos. E no silêncio do amor. O silêncio de um amor qualquer. O amor pela tua vida. 
Não demores onde não sentes. Não comeces a escrever algo em vão. É fácil… Sempre foi… Reticências? Não. Exclama: se faz sentir, faz sentido!

terça-feira, março 29, 2016

Destemidos

Querido diário,

Aquela noite, entre as estrelas.
Eu e tu e aquele luar,
Onde despimos preconceitos.
Onde não sabemos onde estar.
Como dois desconhecidos, sempre destemidos,
Que nas voltas do destino, voltamos a encontrar.
Perdidos no tempo.
No compasso de cada minuto,
Vêm os copos, o vinho e o desalinho.
Entregas. Veneras.
Queimas a minha pele!
O teu toque que sempre soubeste fazer.
As minhas mãos que tu gostas de ter.
Rasgas-me a alma e quebras todos os meus sentidos!
Matas-me de prazer e daqueles gemidos!
Despes-me nas nossas noites,
Que amanhã somos sempre desconhecidos.
Na simplicidade de um dia do que queremos ser,
Nestas noites quero ser tua e que me mates de prazer.
Esquece o meu eu, esquece o que é teu!
Despes os meus preconceitos,
Dás-me os momentos de paixão,
Contigo só quero as horas de loucura,
E as outras não.
Entrego. Venero. Gritas!
E quando quiseres gritar amor,
Lembra-te que o sol já está a raiar,
E que nós nunca tivemos, nem de perto nem de longe...
Motivos para ficar.

quinta-feira, março 24, 2016

Amigas #1

Querido diário,

Amigas, amigas de sempre e para sempre. 
Aquelas com quem divides a tua vida durante alguns anos. Que divides a tua comida, que divides o sofá, a cama e o que for preciso. Aquelas que te aturam de mau humor e às tantas da manhã quando as tuas lágrimas teimam em não secar. Amigas de risos, gargalhadas e melhores momentos.
Amigas que presenciaram os melhores e piores da tua vida. Amigas que estiveram e estão - sempre - a teu lado. Amigas que a vida levou para longe. Mas que sabes que estão sempre perto. Amigas que fazes questão de estar quando voltam. Sempre.
Amigas onde nas paredes da cidade escreveste amo-vos. Com quem partilhaste copos e guitarradas. Amigas que sabem que o amor existe na amizade e que na amizade acontece amor. Amigas de mau feitio. Qual delas o pior. Amigas de mau acordar. Amigas que discutiam. Amigas diferentes. Mas amigas que se respeitam. Amigas que se amam. Respeitam e amam. Apenas por serem quem são. 
Quando dizemos que não precisamos de ninguém na nossa vida, estamos a mentir. Precisamos e muito. Eu preciso de amigas como vocês.
Amigas de sempre e para sempre.

[Hoje é para vocês, obrigada]

- Até já -

segunda-feira, março 21, 2016

Assim sou eu

Querido diário,


Sê tu.
Sê assim.
Imperfeita,
Mulher feita,
Teimosa.
Intensa,
Explosiva,
Determinada.
Tudo ou nada.
Sorrio, canto.
Escrevo e encanto.
Orgulhosa
Sonhadora,
Incerta,
Sem destino certo,
Aventureira,
Verdadeira.
Apaixonada.
E é assim,
Tudo ou nada.



~ Nunca fui metade. Não vivo pela metade. É com todas as metades de mim que sou feliz ~


[Obrigada, Vida]

sexta-feira, março 18, 2016

Apeteces-me!

Querido diário,

Hoje, a minha vontade és tu.
Perder-me nos teus sentidos, envolver-me nos teus braços.
Não sei como, não sei porquê, mas ganhas-te o teu espaço.
Não contes ao tempo como foi, não contes a ninguém.
Quebraste-me os sentidos.
Atravessaste as barreiras do meu corpo.
Encontraste-me na minha alma há muito perdida.
Hoje a minha vontade és tu. Apeteces-me.
E apeteces-me sem razão. Apeteces-me só porque sim.
A tua música faz dançar os meus desejos.
Como sussurras ao ouvido, quando me trincas o pescoço.
Quando me carregas em ti, quando me beijas.
Quero-te. Apeteces-me. Hoje!
Envolves-me os sentidos.
Consegues tocar nas minhas verdades.
Consegues fazer-me mulher.
Mulher de ti.
Hoje, apeteces-me.
Deixa a vontade mostrar até quando.
Sem promessas, não jures.
Hoje.

~ Make today amazing ~

Gosto de acreditar

Querido diário,
 
Palavras que podiam ser minhas:
 
"
Gosto de acreditar que a vida não acontece por acaso. Que não vivemos apenas de forma aleatória. Que as coisas que nos acontecem — sem serem opção claramente nossa — não acontecem só porque sim.
 
Gosto de acreditar que não sofremos à toa. Que os percursos são difíceis para darmos mais valor às coisas. Para apreciarmos, com mais consciência, a vitória. Que as gargalhadas ensinam-nos a saborear o que é simples. Mas que o sofrimento também tem algo para nos ensinar. Que a vida só nos mete em labirintos dos quais sabe que conseguimos, um dia destes, sair. Que sentirmo-nos felizes é uma recompensa pela forma verdadeira como vivemos. Que só nos sentimos tristes quando não estamos no caminho certo. Quando é preciso mudar. Quando é preciso aprender. Gosto de acreditar que a dor só vem do tamanho que vem porque somos capazes de a suportar. Porque somos suficientemente fortes. Porque temos força para aguentar tudo, se for tudo o que vier. Que o instinto da sobrevivência amplifica a nossa coragem e resistência. Que nos torna impermeáveis a tudo. Até ao que achamos que não.
 
Gosto de acreditar que não nos cruzamos, uns com os outros, para entreter o tempo. Que a amizade é uma viagem. Que o amor nunca é em vão. Que é sempre necessário e inevitável — mesmo quando dói. Que os sentimentos são o que são porque não podiam ser outros. Porque nenhum outro nos mostraria mais um bocadinho da vida como ela realmente é.
 
Gosto de acreditar que as minhas escolhas têm uma finalidade que vai além da meramente circunstancial. Que só me acontece aquilo que me pode levar a ser uma pessoa melhor — mesmo que, nesse percurso, bata no fundo. Que a dor e a desilusão têm tamanhos proporcionais ao meu bom carácter. Que, quando chegar o momento certo, a dor passa. E que a alegria de viver é a única coisa que quero, realmente, reter de toda esta vida que levo e à qual, tão genuinamente, me entrego.
 
[Gosto. Mas nem sempre acredito.]
 
Laura Almeida Azevedo in Apeteces-me
 
Gosto de acreditar, que, a minha paixão pelo que significa - para mim - o verbo viver, é aquilo que me faz hoje, realmente, feliz. Gosto e acredito!
 
  


sexta-feira, março 11, 2016

Travel #1

Querido diário,

"
- Sim, pode dizer-se que sou louca e sonhadora.
- Mas nunca esqueças de te apaixonar.
- Não, todos os dias, de me apaixonar pela minha vida. Viver é assim... A intensidade em todos os sentidos.
- Então.. Apaixona-te!
- Todos os dias! O que mais se pode pedir que uma vida cheia de aventuras?!
- Um bilhete. Quanto tempo demoras a fazer a mala?

Saudações aventureiras.

terça-feira, março 08, 2016

Mulheres

Querido diário,

Um dia de todos os dias.
"Não devemos ser livres enquanto outras mulheres forem prisioneiras. Embora que as correntes possam ser diferentes das nossas.
Que o silêncio se transforme em coragem. Que a agonia se transforme em alegria. Que as diferentes correntes que as prendem que se transformem em flores e sorrisos.

Feliz dia internacional da Mulher. E, como sempre, termino com a frase de um homem.


Raul Minh'Alma in Fome


quinta-feira, fevereiro 18, 2016

Viver

Querido diário,

"Peço-te que me devores ou então que me abandones.
     Quando sentires que falta algo terás a certeza de que falta tudo,
     porque nenhum copo meio cheio me preenche,
     porque nem sequer um copo quase cheio pode matar o que te preciso.
     A única rotina entre nós é a de irmos até à insensatez do que nunca experimentamos, inventar inocências que ainda não perdemos, estádios de evolução que nenhum Homem sabe que existem, e se algum ser superior existir vai ficar deprimido quando.
      Daqui a pouco chega a hora de ir.
      Eu vou para a minha casa, tu vais para a tua.
      Foi a maneira que encontramos de nos tornarmos raros, preciosidades humanas que passamos o dia a querer viver.
     Não fazemos promessas, não exigimos todo o tempo, não encontramos uma palavra ou várias que nos possam definir, não acreditamos na capacidade de haver julgamento justo para o que nenhuma lei conseguiria encerrar.
    Queremo-nos quando um de nós o decide, amamo-nos quando um de nós precisa amar.
    Sabemos que é pouco para quem tanto se quer.
    Mas é apenas o que sabe a pouco que nos mantém vivos.
    O que morre primeiro: não amar ou amar demais?

Pedro Chegas Freitas in Prometo Falhar.


 

terça-feira, fevereiro 16, 2016

Dezasseis

Querido diário,

Ontem foi dia quinze. Hoje é dia dezasseis. Amanhã dezassete.
Não se trata de aprender a contar. Mas de aprender a desenhar.
Não desenhes o coração do catorze. Desenha o coração da tua vida.
E acredita, sempre, que só tu o podes colorir.
Agarra-o. Porque todos os dias, são dias de ser feliz.
Pinta-o. Como quiseres, mas com sorrisos.
Com, ou sem catorze.


Saudações amorosas.

quarta-feira, fevereiro 03, 2016

Podia pedir às estrelas

Querido diário,

Podia pedir às estrelas que me guiassem. Que me mostrassem o meu caminho.
Pediria até para me levarem para um lugar bem longe daqui.
Que me presenteassem com quem tenho saudades.
Pediria às estrelas que acabassem com a fome no mundo.
Que olhassem pelos direitos das mulheres. Que guiassem todos os animais mal tratados.
Pediria para voltar atrás no tempo, ou pediria para me ajudar nas decisões do futuro.
Podia pedir às estrelas que levassem metade da loucura que há em mim.
Pedia que me fizessem calar metade do que digo e falar a outra metade que eu calo.
Podia pedir às estrelas que metade de mim não fosse amor.
E, quem sabe, a outra metade também não.
Pediria que terminassem as dúvidas. Ou, quem sabe, me dessem as respostas.
Podia até pedir mais amor ao falar e paciência ao ouvir.
Podia pedir às estrelas que ninguém que se ame fique separado.
Podia pedir às estrelas que...
O brilho das estrelas somos nós que fazemos.
Somos apenas nós que temos fazemos a nossa vida brilhar.
Somos nós que escolhemos ficar. Decidimos o lugar com vontade de estar.
Somos nós que podemos fazer brilhar o sorriso de alguém.
Somos nós que podemos dar o brilho ao nosso mundo e fazer brilhar um lugar onde vale a pena viver.
E tu... o que pedirias às estrelas hoje à noite?