Diário d'Inês

quinta-feira, fevereiro 18, 2016

Viver

Querido diário,

"Peço-te que me devores ou então que me abandones.
     Quando sentires que falta algo terás a certeza de que falta tudo,
     porque nenhum copo meio cheio me preenche,
     porque nem sequer um copo quase cheio pode matar o que te preciso.
     A única rotina entre nós é a de irmos até à insensatez do que nunca experimentamos, inventar inocências que ainda não perdemos, estádios de evolução que nenhum Homem sabe que existem, e se algum ser superior existir vai ficar deprimido quando.
      Daqui a pouco chega a hora de ir.
      Eu vou para a minha casa, tu vais para a tua.
      Foi a maneira que encontramos de nos tornarmos raros, preciosidades humanas que passamos o dia a querer viver.
     Não fazemos promessas, não exigimos todo o tempo, não encontramos uma palavra ou várias que nos possam definir, não acreditamos na capacidade de haver julgamento justo para o que nenhuma lei conseguiria encerrar.
    Queremo-nos quando um de nós o decide, amamo-nos quando um de nós precisa amar.
    Sabemos que é pouco para quem tanto se quer.
    Mas é apenas o que sabe a pouco que nos mantém vivos.
    O que morre primeiro: não amar ou amar demais?

Pedro Chegas Freitas in Prometo Falhar.


 

terça-feira, fevereiro 16, 2016

Dezasseis

Querido diário,

Ontem foi dia quinze. Hoje é dia dezasseis. Amanhã dezassete.
Não se trata de aprender a contar. Mas de aprender a desenhar.
Não desenhes o coração do catorze. Desenha o coração da tua vida.
E acredita, sempre, que só tu o podes colorir.
Agarra-o. Porque todos os dias, são dias de ser feliz.
Pinta-o. Como quiseres, mas com sorrisos.
Com, ou sem catorze.


Saudações amorosas.

quarta-feira, fevereiro 03, 2016

Podia pedir às estrelas

Querido diário,

Podia pedir às estrelas que me guiassem. Que me mostrassem o meu caminho.
Pediria até para me levarem para um lugar bem longe daqui.
Que me presenteassem com quem tenho saudades.
Pediria às estrelas que acabassem com a fome no mundo.
Que olhassem pelos direitos das mulheres. Que guiassem todos os animais mal tratados.
Pediria para voltar atrás no tempo, ou pediria para me ajudar nas decisões do futuro.
Podia pedir às estrelas que levassem metade da loucura que há em mim.
Pedia que me fizessem calar metade do que digo e falar a outra metade que eu calo.
Podia pedir às estrelas que metade de mim não fosse amor.
E, quem sabe, a outra metade também não.
Pediria que terminassem as dúvidas. Ou, quem sabe, me dessem as respostas.
Podia até pedir mais amor ao falar e paciência ao ouvir.
Podia pedir às estrelas que ninguém que se ame fique separado.
Podia pedir às estrelas que...
O brilho das estrelas somos nós que fazemos.
Somos apenas nós que temos fazemos a nossa vida brilhar.
Somos nós que escolhemos ficar. Decidimos o lugar com vontade de estar.
Somos nós que podemos fazer brilhar o sorriso de alguém.
Somos nós que podemos dar o brilho ao nosso mundo e fazer brilhar um lugar onde vale a pena viver.
E tu... o que pedirias às estrelas hoje à noite?